Preço da gasolina nas alturas. Botijão de gás custando mais de R$ 120. Disparada geral no valor dos alimentos.

Em meio ao descontrole da pandemia no país, os brasileiros ainda precisam conviver com essa realidade. O poder de compra de milhões de trabalhadores diminuiu e a fome voltou a bater à porta de muitas famílias.

Independentemente da crise sanitária ou do cenário econômico mundial, grande parte dessa tragédia poderia ter sido evitada se o Governo Federal apostasse no papel das estatais, especialmente a Petrobras, para a garantia do bem-estar da população.

Como não tem compromisso exclusivo com o lucro, a Petrobras pode, principalmente em momentos de crise, adotar políticas para que a população não seja afetada com elevações repentinas no preço de seus produtos e serviços, como combustível e gás de cozinha, que quanto mais altos, mais contribuem para a inflação de outros itens.

A seguir, vamos explicar um dos principais aspectos envolvidos nessa questão: a política de preços adotada pela Petrobras.

Uma das causas: Preço de Paridade internacional (PPI)

Após o golpe de 2016, que afastou a presidente Dilma Rousseff, e depois de muita pressão de investidores, importadores de combustíveis e empresas estrangeiras, o governo de Michel Temer mudou a política de preços da Petrobras, que adotou a paridade de preços internacionais (PPI).

Ou seja, tudo que a Petrobras produz nas refinarias de petróleo passou a ser vendido de acordo com o preço desses produtos no mercado internacional.

Na prática, a Petrobras produz gás e combustível, mas precisa vender com base no preço internacional, equiparando com empresas que estão importando os produtos do exterior.

Isso faz com que, em períodos de crise e intensas variações do mercado internacional, o consumidor brasileiro seja penalizado, independentemente da capacidade produtiva e da competitividade da Petrobras. Tudo para privilegiar as empresas importadoras e as estrangeiras, que não perdem mercado consumidor para a estatal brasileira, mesmo com os altos preços.

E pior: este preço é calculado em dólar. Como o Real se desvalorizou muito desde o começo do governo de Jair Bolsonaro (graças às trapalhadas do próprio Governo Federal, como o ministro da Economia, Paulo Guedes, já previa), o preço para o consumidor brasileiro fica ainda mais salgado.

População sofre

Uma pesquisa do IBGE destacou que entre 2016 e 2019 (após adoção da política de PPI pela Petrobras) as famílias brasileiras passara a usar mais lenha ou carvão para cozinhar. Isso é reflexo também do aumento dos preços do gás de cozinha.

Poderia ser diferente.

A Petrobras possui margem para que os produtos refinados sejam comercializados por valores menores. Por isso, manter a PPI como política inegociável é uma escolha do governo que está prejudicando todos os brasileiros, porque afeta também a cadeia produtiva nacional, já que a alta dos preços dos combustíveis faz com que todos os produtos que precisam ser transportados por rodovias (no caso do Brasil, mais de 60 %) também custem mais caro.

As estatais existem para beneficiar a população, e não só para buscar o maior lucro possível (embora as brasileiras sejam extremamente lucrativas).

As empresas públicas têm capacidade de contribuir para a construção de um país com desenvolvimento econômico e social, e garantir que as camadas mais pobres da população tenham acesso a produtos que são essenciais no dia a dia.

 

Fonte: Com a Petrobras o Brasil tem Futuro