Em abril de 2019, o governo brasileiro anunciou que 8 das 13 refinarias da Petrobras estariam à venda. Juntas, elas são responsáveis pela metade da capacidade de refino da estatal.

A medida foi anunciada em um “fato relevante” aos investidores da Bovespa. No entanto, se baseia em várias premissas falsas.

 

Não acabará com suposto monopólio

Afirmar que a venda de refinarias acabaria com um “monopólio” é uma mentira. A atual gestão da Petrobras não se preocupava com isso quando vendeu para a empresa francesa Engie a quase totalidade dos gasodutos brasileiros em 2019.

Agora existe um monopólio da empresa francesa no setor. Pior: a Engie vai alugar sua estrutura para a própria Petrobras. Na prática, em pouco tempo a Petrobras devolverá tudo o que recebeu pela privatização e depois continuará pagando.

 

Os preços não cairão

Outra mentira que espalham é que os preços cairão depois da privatização. Não basta os exemplos de telefonia, estradas e energia elétrica, que aumentaram acima da inflação após privatização. Nos combustíveis, certamente isso se repetirá.

O preço dos combustíveis vem da soma de custos de produção com impostos. Só que a Petrobras, dentro da atual política de preços, vende a matéria-prima para as suas próprias refinarias pelo preço internacional, mesmo seus custos sendo infinitamente inferiores.

Os preços seguirão dentro desta lógica com a privatização e não haverá um retorno a preços menores. O Brasil será um refém definitivo da política econômica de outros países.

 

Destruição da economia de várias regiões

No Nordeste e no Sul do Brasil, onde estão várias das unidades que o governo colocou à venda, a privatização poder reduzir as atividades de refino.

Nessas regiões, é possível que essas unidades virem mero posto de estocagem de combustível que chegaria refinado de outros países, o que geraria desemprego e quebraria cidades que dependem economicamente das unidades da Petrobras.

Duas unidades colocadas à venda são especiais. A SIX, no Paraná, é uma usina experimental de xisto, produzindo ciência. A LUBNOR, no Ceará, é a única que produz lubrificantes, produtos de maior valor agregado da cadeia petrolífera. Vender é jogar fora esse conhecimento desenvolvido e dar de presente aos estrangeiros. Ciência é um bem precioso!

Por isso somente com a Petrobras estatal e inteira o Brasil tem futuro.

 

Compartilhe o post
Instagram  | Facebook