Setores que pretendem se apropriar do patrimônio dos brasileiros para lucrar sobre as necessidades do povo espalham mentiras por aí para convencer a população de que as privatizações são necessárias para o Brasil.

Vamos desvendar algumas dessas mentiras.

 

Privatização acaba com a corrupção?

Basta uma rápida pesquisada na internet para a quantidade de casos de corrupção envolvendo empresas privadas (inclusive gigantes), no Brasil e no mundo. E a sonegação é um dos piores tipos, pois tira do poder público recursos que deveriam ser investidos em saúde, educação e segurança, por exemplo.

Especialistas estimam que no Brasil o faturamento não declarado das empresas fica em torno de R$ 2,17 trilhões por ano e os tributos sonegados pelas empresas variam de R$ 390 bilhões a R$ 500 bilhões por ano.

É preciso lembrar que para fiscalizar as empresas estatais e garantir transparência dos gastos públicos existem diversas estruturas, como Advocacia-Geral da União (AGU), Ministério Público (Federal e estaduais), Polícia Federal, Portal da Transparência, e Tribunais de Contas (da União e dos Estados). Já em relação às empresas privadas, há poucos mecanismos para fiscalização.

Também é preciso lembrar que as privatizações não afastam os políticos corruptos e os oportunistas, já que esses estão sempre ligados e grupos econômicos ou empresas, e muitos rebem pagamento (ou propina) para intermediar os interesses desses setores.

 

Com a privatização a gasolina vai baixar?

Não há qualquer indicativo que o preço da gasolina e do diesel possam baixar se a Petrobras for privatizada, pelo contrário. Sem a participação do Estado na definição do preço dos combustíveis, as empresas privadas terão liberdade para estipular os preços (ou farão cartéis para combinar os valores cobrados do consumidor).

 

Privatizar gera mais concorrência?

Para enganar a população, setores oportunistas espalham a mentira de que a privatização da Petrobras “acabará com o monopólio”, haverá “concorrência” e o preço vai baixar. Porém, desde 1997, não há monopólio por aqui e a privatização fará exatamente o contrário: surgirão monopólios regionais privados, com empresas interessadas apenas no lucro.

 

Privatizar melhora a qualidade?

Não há qualquer garantia, e se você não estiver satisfeito com a qualidade, vai reclamar para quem? Por exemplo, você já viu protestos contra a péssima qualidade da telefonia? Não, obviamente.

 

Estatal é cabide de emprego?

Funcionários de estatais são aprovados concursos extremamente difíceis, que não levam em consideração aspectos políticos, ideológicos ou religiosos, e nem parentesco. Apenas uma parcela mínima dos cargos é preenchida por indicação. Muito longe de ser cabide de emprego.

 

Estatais dão prejuízos?

De 2003 a 2013, a Petrobras teve lucro líquido de R$ 359,2 bilhões (corrigido pela inflação, esse valor passaria de R$ 664 bilhões!). A estatal é uma grande geradora de caixa, entre 2012 e 2017, por exemplo, a geração se manteve estável: entre US$ 25 e 27 bilhões por ano. Em 2019, o lucro foi de R$ 40,1 bilhões.

Se somarmos as estatais brasileiras, veremos que o lucro chegou a 109 bilhões em 2019, longe daqueles tão falados prejuízos. Grande parte desses recursos retorna para a população em forma de políticas públicas. Se fossem privatizadas, os valores iriam para o bolso dos donos, dos acionistas ou, se fossem multinacionais, para a sedes em outros países.

 

A Petrobras está quebrada?

A empresa nunca esteve sequer perto de estar quebrada. Em 2018, o lucro da Petrobras foi de R$ 25,7 bilhões e em 2019, o lucro foi de R$ 40,1 bilhões. A estatal tem um ativo total de R$ 924,47 bilhões, e um patrimônio líquido de R$ 309,75 bilhões, o que a torna a maior empresa do Brasil.

 

 

Compartilhe o post
Instagram  | Facebook